sexta-feira, 14 de novembro de 2008

AÇÃO VIRTUAL, PERIGO DO MAL, O PECADO REAL.

MT 15:19 (Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias.)










Quem nunca teve vergonha ou receio de falar algo pessoalmente e decidiu enviar uma carta, dar um telefonema ou e-mail para se expressar?
Quem nunca preferiu mandar um recado por um amigo ou amiga ao invés de correr o risco de ir falar pessoalmente?

Em todos os momentos de nossas vidas estamos procurando o meio mais seguro e eficiente para agir, a posição mais privilegiada para estar, o melhor carro para viajar, a (o) melhor esposa (o) para nos casar ou atém mesmo não se casar. Sempre procuramos fazer as coisas que nos deixarão no controle da situação, isso nos da uma sensação de superioridade e domínio.

Até mesmo aquele que gosta de viver uma vida de aventuras toma todas as precauções possíveis para estar seguro, seja no equipamento correto e revisado para pular de bang jump ou nos melhores sistemas de segurança para fazer um “racha” com o carro etc.

Inclusive um marginal se garante em uma arma para sentir-se superior e partir para um assalto ou algo assim, seja uma arma de fogo, arma branca, porrete e quem sabe até uma pedra.

Mas o que tem de ruim na busca pela autoconfiança?

Não é correto buscar uma situação onde você tenha uma autoconfiança elevada para agir com segurança?

Segundo estudos da “The Wharton School“ (escola de administração da Universidade da Pennsylvania (EUA)) executivos com excesso de autoconfiança têm mais chances de cometer fraudes.

Foram cruzados estudos psicológicos com processos judiciais, perfis psicológicos e a história de vida de executivos envolvidos em fraudes. Normalmente eram funcionários decentes e honestos, mas quando chegaram ao topo de suas empresas e viram uma crise se aproximando, do alto de seus cargos sentiram-se confiantes, acima da lei para fraudar e conseguir resultados rápidos e eficientes.

É assim que funciona na vida pessoal também, milhões de pessoas estão em crises emocionais envolvidos em problemas familiares, amorosos, profissionais etc. Acabam se escondendo atrás dos teclados e “Nicks” (pseudônimos) para seduzir, enganar e PECAR. Sentem-se autoconfiantes para fazer o que quiserem, acham que se quiserem ninguém os conhecerá, não será exposto ou molestado.

Normalmente escolhem “Nicks” para se auto-afirmarem, exaltar suas qualidades ou esconder seus defeitos. São apelidos que exaltam o corpo, os comparam a deuses, heróis ou simplesmente usam adjetivos.

Todos sabem que o mundo da internet é repleto de mentiras e armadilhas, porém sempre se pensa em quem está do outro lado como o risco a ser superado, quando o maior risco está na frente do monitor de quem com receio se esconde.

Nós por estarmos frágeis e em crise procuramos no mundo virtual da informática ser o que nossos corações desejam, seja num jogo onde somos invencíveis ou nas salas de bate-papos onde somos sedutores, lindos e “intocáveis”.

Nesse momento é que devemos pensar se nossas atitudes virtuais podem ser consideradas pecados reais.

A autoconfiança que um teclado nos inspira está no fazendo pecar?

Será que nos dados que enviamos e recebemos diariamente pelos computadores estamos transmitindo em códigos binários pecados nascidos no coração?

O que vemos hoje é uma multidão de homens e mulheres casados procurando afetos diferentes e porque não dizer prazeres diferentes em salas de bate-papos e encontros virtuais, Jesus falou claramente na bíblia que quando um homem casado somente olha e deseja uma mulher, já cometeu adultério com ela (MT 5:28), essa passagem serve como um alerta importantíssimo para os dias atuais, pois vale tanto para adultério como para fornicação, homossexualismo e os demais pecados. Pois assim como disse o Messias o pecado nasce no coração.

Portanto, rogo que olhemos cada um para o nosso interior, procuremos nossas fraquezas e peçamos que o Espírito Santo nos sonde (Pv21:2), por mais que tentemos e busquemos a perfeição, sempre haverá fraquezas e devemos buscar a Cristo que já as venceu e levou sobre si todas as nossas enfermidades, TODAS, físicas, espirituais e sentimentais.

Somente estando em Cristo e Ele em nós é que podemos superar as tentações, pois sem Ele nada podemos fazer (João 15:1-5)

"Os amigos virtuais sempre preenchem uma parte de nossas noites frias e finais de semanas vazios, mas Jesus preenche nossos corações trazendo calor, amor e salvação, nos dando da fonte perene a vida eterna".

Que Deus os abençoe.